Negão no elevador

Esta piada foi vizualizada 948 Andreza 13/10/2008 10:21:30 Bichas

Um cara meio fracote e raquítico, pega o elevador. Junto com ele entra um negão imenso.
O cara fica meio assustado com o tamanho do negão e olha de cima a baixo.
O negão percebe e fala:
- Tenho 2 metros de altura, 180 quilos, 30 centímetros de pinto,o saco pesa três quilos: FELIPE COSTA, seu criado!
O cara fracote e raquítico cai duro e desmaia! O negão então dá uns tapas na cara do coitado, acorda-o e lhe pergunta:
O que houve cara, por que você desmaiou?
O cara ainda meio desacordado responde:
- Desculpe, o que foi mesmo que você disse?
- Eu disse: Tenho 2 metros de altura, 180 quilos, 30 centímetros de pinto, o saco pesa três quilos, FELIPE COSTA, seu criado.
- Ah! Graças a Deus.
Eu tinha entendido: FIQUE DE COSTA, seu viado...

Mais da categoria Bichas

Piadas mais nova

Categorias mais acessadas

Descrição

Uma piada ou anedota é uma breve história, de final engraçado e às vezes surpreendente, cujo objetivo é provocar risos ou gargalhadas em quem a ouve ou lê. É um recurso humorístico utilizado na comédia e também na vida cotidiana.
O senso de humor varia em cada cultura. O que é engraçado para um povo pode não ser para outro. Um estudo da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, versou sobre o assunto em 2004, objetivando colher opiniões através da internet para se descobrir qual seria "a melhor piada do mundo".
Através do resultado dessa pesquisa, observou-se o quanto a cultura local influencia no "senso de humor" de cada povo. Os britânicos demonstraram gostar mais de trocadilhos, enquanto franceses e alemães costumavam optar por piadas que tendiam ao nonsense. Já os estado-unidenses preferiam piadas sobre assuntos locais.
Contudo, algumas características foram independentes do país. Homens, de uma maneira geral, demonstraram gostar de piadas que envolvessem sexo e preconceito, enquanto as mulheres não gostavam desse tipo de conteúdo. Como a pesquisa só possui até o momento dados de Estados Unidos, Canadá e Europa, não há análise sobre as preferências dos ibero-americanos.