O açucareiro

Esta piada foi vizualizada 1194 Luiz 16/06/2014 23:22:00 Caminhoneiros

O caminhoneiro entra no bar de um posto de estrada e pede um café. O rapaz do balcão serve, e o sujeito pede o açucareiro. O rapaz, gentilmente, pergunta:
- Qual o senhor quer, o filho da puta ou o puta que pariu?
- Me dê qualquer um, que eu estou com pressa.
O garoto lhe entrega um açucareiro, daqueles que vêm com açúcar todo empedrado, que não sai de jeito nenhum. O cara chacoalha, chacoalha, vira o açucareiro de cabeça para baixo, bate no fundo e, quando
está no limite da paciência, esbraveja:
- Filho da puta de açucareiro! Me dê outro, garoto!
Prontamente, o rapaz lhe entrega outro açucareiro, com o açúcar soltinho, e, quando o sujeito vira o vidro sobre a xícara, cai uma quantidade imensa de açúcar, e ele exclama:
- Puta que pariu!

Mais da categoria Caminhoneiros

Piadas mais nova

Categorias mais acessadas

Descrição

Uma piada ou anedota é uma breve história, de final engraçado e às vezes surpreendente, cujo objetivo é provocar risos ou gargalhadas em quem a ouve ou lê. É um recurso humorístico utilizado na comédia e também na vida cotidiana.
O senso de humor varia em cada cultura. O que é engraçado para um povo pode não ser para outro. Um estudo da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, versou sobre o assunto em 2004, objetivando colher opiniões através da internet para se descobrir qual seria "a melhor piada do mundo".
Através do resultado dessa pesquisa, observou-se o quanto a cultura local influencia no "senso de humor" de cada povo. Os britânicos demonstraram gostar mais de trocadilhos, enquanto franceses e alemães costumavam optar por piadas que tendiam ao nonsense. Já os estado-unidenses preferiam piadas sobre assuntos locais.
Contudo, algumas características foram independentes do país. Homens, de uma maneira geral, demonstraram gostar de piadas que envolvessem sexo e preconceito, enquanto as mulheres não gostavam desse tipo de conteúdo. Como a pesquisa só possui até o momento dados de Estados Unidos, Canadá e Europa, não há análise sobre as preferências dos ibero-americanos.