Barbie divorciada

Esta piada foi vizualizada 964 Rose Mari 08/03/2007 10:00:00 Loiras

Um sujeito se lembra que é aniversário de sua filha e que ainda não havia comprado seu presente.
Ele pára seu carro diante de uma loja de brinquedos, entra e pergunta à vendedora:
Quanto custa a Barbie que está na vitrine?
De uma forma educada a vendedora (loira é claro) responde:
Qual Barbie? Pois nós temos:
Barbie vai a academia por R$ 19,95;
Barbie joga volley por R$ 19,95;
Barbie vai as compras por R$ 19,95;
Barbie vai a praia por R$ 19,95;
Barbie vai dançar por R$ 19,95;
Barbie advogada divorciada por R$ 365,95.
O cara, assombrado, pergunta:
Por que a Barbie Advogada Divorciada custa R$ 365,95, enquanto as outras custam apenas R$ 19,95?
A vendedora responde:
Senhor, a Barbie ADVOGADA DIVORCIADA vem com:
O carro do Bob, A casa do Bob, A Lancha do Bob, O trailler do Bob, Os móveis do Bob, O celular do Bob.

Mais da categoria Loiras

Piadas mais nova

Categorias mais acessadas

Descrição

Uma piada ou anedota é uma breve história, de final engraçado e às vezes surpreendente, cujo objetivo é provocar risos ou gargalhadas em quem a ouve ou lê. É um recurso humorístico utilizado na comédia e também na vida cotidiana.
O senso de humor varia em cada cultura. O que é engraçado para um povo pode não ser para outro. Um estudo da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, versou sobre o assunto em 2004, objetivando colher opiniões através da internet para se descobrir qual seria "a melhor piada do mundo".
Através do resultado dessa pesquisa, observou-se o quanto a cultura local influencia no "senso de humor" de cada povo. Os britânicos demonstraram gostar mais de trocadilhos, enquanto franceses e alemães costumavam optar por piadas que tendiam ao nonsense. Já os estado-unidenses preferiam piadas sobre assuntos locais.
Contudo, algumas características foram independentes do país. Homens, de uma maneira geral, demonstraram gostar de piadas que envolvessem sexo e preconceito, enquanto as mulheres não gostavam desse tipo de conteúdo. Como a pesquisa só possui até o momento dados de Estados Unidos, Canadá e Europa, não há análise sobre as preferências dos ibero-americanos.